quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

ensina-me a viver


A improvável história de amor entre Harold, um senhor de quase vinte anos, obcecado pela morte e Maude, uma jovem de quase oitenta anos, apaixonada pela vida.
Este é um pequeno resumo da história central do espetáculo "Ensina-me a viver", em cartaz no Teatro do Leblon.
Antes de falar do espetáculo, temos que mencionar o filme Harold & Maude (Ensina-me a viver), clássico dos anos 70, escrito por Colin Higgins e dirigido por Hal Ashby, que conquistou uma geração de cinéfilos. Os papéis de Harold e Maude foram interpretados respectivamente por Bud Cart e Ruth Gordon.

(Bud Cart e Ruth Gordon - "Harold & Maude" - o filme)

Apaixonado pelo seu filme da adolescência o ator Arlindo Lopes comprou os direitos da peça em 2003 e após 4 anos, conseguiu montar o espetáculo com uma excelente ficha técnica. Esta nova montagem brasileira de "Ensina-me a Viver", estreou em outubro de 2007 em São Paulo, com tradução de Millôr Fernandes e adaptação e direção de João Fonseca.

Sensível, inteligente e rico, Harold não conheceu o pai e vive com a mãe indiferente e autoritária.
A quase octogenária Maude vive em um teatro, rodeada por margaridas e passarinhos e aproveita cada segundo de sua existência como se fosse o último.
Quando se encontram, a sintonia é imediata. Maude, cheia de alegria e positividade ensina a Harold os prazeres da vida e da liberdade.


João Falcão tem em suas mãos atores talentosos e dedicados que entenderam perfeitamente o espírito do espetáculo. Assim temos atuações bem satisfatórias de Ilana Kaplan, a mãe de Harold e de Augusto Madeira revezando-se nos diversos papéis de psicólogo, padre, o tio e o inspetor, atuando de maneira bem segura e com humor na medida. Uma boa surpresa deste espetáculo é a interpretação de Fernanda de Freitas que interpreta as pretendentes de Harold, imprimindo em cada uma das moças uma marca diferente. Arlindo Lopes, tão dedicado, interpreta com muita sinceridade o jovem mórbido, que freqüenta cemitérios. Notamos todo o empenho e entrega do ator ao papel. Por fim, Glória Menezes, que sonhava um dia interpretar Maude, brinda o público com uma ótima interpretação de Maude, a jovem senhora, que adora aventuras e apresenta um novo mundo para Harold. Glória domina totalmente o papel e encanta a platéia. A química entre Glória e Arlindo é perfeita e em muitos momentos a diferença de idade desaparece tamanha a empatia do casal.

Podemos dizer que “Ensina-me a viver” é uma grande lição de vida, uma história de descobertas que conduz o espectador a acreditar que simplificar a vida é sempre o melhor caminho.

6 comentários:

  1. Caro amigo, Jorge, as chuvas do Sul tem me impedido até de pensar direito, quanto mais fazer visita aos amigos. Tenho levado duas horas pra chegar ao trabalho e outras duas pra voltar. A barreira que caiu na SC 404 transtornou todo o povo do lado norte da ilha. Ótima dica de filme! Vou ver assim que for possível! Parabéns pela colocação no dihitt!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Jorge

    Vi o filme e lembro-me que, na época, me emocionei, chegando às lágrimas.

    Não sei se, no teatro, essa lição de vida terá o mesmo impacto.

    Mas confio na sua análise.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Jorge, não fui ver a peça, amo teatro, mas vi a entrevista da Glória fazendo a divulgação. Agora fiquei com vontade...
    Amigão, tem presentinho pra vc lá no Babel, tá bom? ; )
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Este filme marcou várias gerações. Pela afinidade de temática, convidamos para uma visita ao http://cogitamundo.wordpress.com .
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Jorge, não vi a peça mas assisti ao filme. É muito bom! Lembro que ambos adoravam funerais, até que se conheceram e viram que, em comum, tinham o gosto mórbido pela morte, apesar de ela ver a vida com olhos bem mais alegres que ele. Não sei se a peça é conforme o filme, mas é uma ótima dica, assistir a uma peça de um filme que assisti! É que nem ler o livro e depois ver o filme. Valeu! Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Essa peça deve muito boa e deve ser, provavelmente, um pouco de comédia. Pelo visto deve ser muito interessante assistí-la.

    Um abraço

    ResponderExcluir

Obrigado por ler e comentar este post.
Abraços e volte sempre.