quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

eu não posso ver...tenho medo

O título deste post é parte da fala de Fernanda Young, apresentadora do programa "Irritando Fernanda Young", do GNT. Na entrevista com Wagner Moura, a apresentadora pedia desculpas por não ter assistido "Tropa de Elite" e disse "não posso ver ... tenho medo". Além desse filme Fernanda citou "o filme da Bjork..."Dançando no Escuro". De fato são filmes violentos, cada um do seu jeito. É necessária muita coragem para assistir aos dois filmes. Em "Tropa de Elite" enfrentamos a crueldade das favelas, a realidade do morro e a violência que nos persegue.

"Dançando no Escuro", trata de um outro tipo de violência, a do mais forte contra o mais fraco. Estão reunidos nesse filme os piores sentimentos do ser humano, toda a mesquinharia da alma. O público sofre com o drama da personagem de Bjork, uma imigrante tcheca que sofre de uma doença grave.

(Bjork - atuação arrebatadora)

Apesar de ter sido o filme mais triste que já assisti na vida, "Dançando no Escuro" tem momentos bonitos, talvez pelos números musicais. Lembro que assisti ao filme numa sessão tipo avant-première e saí arrasado e questionando aquele slogan "cinema é a maior diversão". Definitivamente "Dançando no Escuro" não foi a "maior diversão". Todo mundo saiu cabisbaixo, com os olhos marejados. Eu chorei muito. Tudo era doloroso e, com certeza, foi o filme mais triste que já assisti na vida.
Com este filme Lars Von Trier ganhou a Palma de Ouro em Cannes em 1996 e Bjork brindou o público com uma interpretação intensa e arrebatadora.
Voltando à frase de Fernanda Young "eu não posso ver...tenho medo", ela tem razão, "Dançando no escuro" assusta mesmo...

Vale a pena ver de novo: "Dancer in the Dark" (Dançando no Escuro) : Bjork - I've seen it all

3 comentários:

  1. este foi o filme que despertou em mim a ira que eu não conhecia. irei ... pela passividade dela, pelo sofrimento, pela violência, poucos filmes me fizeram ter vontade de sair no meio louca de vontade de ver o final ... esse, se não for o unico, é o mais lembrado nesse sentido.

    ResponderExcluir
  2. Jô, amigão, agora que acendeu a vontade ver o filme então. "Tropa de Elite", assim com a Fernanda (que aliás, adoro, mas prefiro como roteirista), não tive coragem de ver, tenho essa pendência e preciso superá-la em nome de um bem maior. Farei, no tempo certo. Já "Dançando no Escuro" vou ver em menos tempo. Adoro a Björk, com esse jeitinho esquisito dela, e a história me interessou.
    Obrigadíssima pela dica! ; )
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Jorge

    Faz tempo te devo uma visita. Vim aqui atraído por esse post. E acabei lendo outros muito interessantes.

    Muito sucesso para você, amigo, em 2009

    Abraços

    ResponderExcluir

Obrigado por ler e comentar este post.
Abraços e volte sempre.