quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

O Som da Motown

Postagem nº 250!

No final dos anos 50 surgiu uma gravadora nos Estados Unidos que iria mudar completamente a cena musical do mundo. Exagero? Talvez, mas o fato é que depois da Motown o mundo conheceu uma batida diferente e ninguém mais ficou parado. Este ano a Motown completa 50 anos de existência e para festejar a data Renato Vieira e Cláudio Figueira produziram o musical O Som da Motown, em cartaz no Teatro do Leblon.
A Motown tem grande importância no cenário musical pois lançou grandes astros americanos como Marvin Gaye, Michael Jackson, Diana Ross, Stevie Wonder entre tantos. Até hoje as músicas fazem sucessos em qualquer pista. Quem já não balançou ao som de "Reach out, I'll be there"?

O musical, como diz o programa, "não ambiciona documentar a história da gravadora, e sim, consagrar a emoção de toda uma época". E assim, o público é presenteado com um espetáculo encantador. O elenco é composto por cinco excelentes intérpretes: Simone Centurione, Thalita Pertuzatti, Ellen Wilson, Alcione Marques e Débora Pinheiro. Este quinteto tem um preparo vocal de tirar o fôlego, além de dançarem as coreografias que nos fazem lembrar dos melhores momentos dos artistas homenageados. Não bastasse a música que traz toda nostalgia e faz um bem enorme aos ouvidos, O Som da Motown tem lindos figurinos, com direito a muito colorido, ternos brilhantes, vestidos reluzentes e muitos espelhos. Enfim, todo o estilo da época da Black Music.
São 28 canções e a cada número a minha vontade era de levantar e dançar, mas a plateia do último sábado estava bem comportadinha e no máximo vi umas cabecinhas balançando. Uma pena. O Som da Motown é dançante.

Alguns momentos do espetáculo são muito especiais: a apresentação dos grupos The Supremes e Jackson Five. Assim que surgem no palco vemos o cuidado da produção. A reconstituição dos figurinos e das coreografias são irrepreensíveis. As meninas arrasam! Mas o ponto alto é quando Simone Centurione faz um dueto com Michael Jackson (em vídeo) cantando Ben, é de arrepiar. A sintonia é perfeita e as vozes se harmonizam completamente.
O Som da Motown é uma grande viagem ao túnel do tempo, revisitando a época de ouro da Black Music e que cativa qualquer tipo de platéia. Imperdível!
Para matar saudades, um vídeo com The Supremes:
§§§§§§§§§§§§§§§
250 postagens! Quero agradecer aos queridos leitores pelo carinho e apoio. Obrigado pelas visitas e pelos comentários.

2 comentários:

  1. Jorge,

    Adorei o comentário. Vou colocar na minha lista para o feriadão.

    bjs

    Maria da Fé

    ResponderExcluir
  2. Gratidão
    Provavelmente você já deve ter ouvido falar na expressão que se não temos tudo o que queremos, é importante aprender a valorizar tudo o que já temos. Acredito e muito no poder dessa valorização. Chamo-a de gratidão-terapia. É um processo de consciência dos passos que vamos dando em nosso dia-a-dia e de sua devida importância. A maioria de nós ao olhar para o passado e contrastá-lo com a vida que tem hoje sempre vai poder encontrar pontos positivos e outros negativos em que pode fixar sua atenção. E claro que, dependendo da escolha que fizermos, teremos resultados correspondentes. Ter metas, prazos a cumprir e sempre estar buscando algo melhor que já temos pode ser uma ambição salutar e impulsionadora, mas ao fecharmos os olhos e não dimensionarmos o que já conquistamos, corremos o risco de nos tornarmos prisioneiros de nossa insatisfação constante. Dessa forma, a gratidão-terapia nos traz de volta a realidade, nos mostrando os passos dados e nos ajudando a sentir como já progredimos na vida.
    Valorizar suas conquistas, por menores que sejam, é atitude muito importante. Normalmente temos o hábito de ver o que não temos, ao invés de nos educar para valorizar o que já temos. Olhamos para o dia ensolarado e pedimos o dia frio. Chega o frio e pedimos o calor. Sem perceber vamos nos acostumando a reclamar de tudo, por hábito de reclamar e sem nos darmos conta acabamos poluindo a imagem que temos da nossa vida. Não faça isso. Seja justo com você! Se há situações difíceis a se conviver, sempre há as situações agradáveis. Nunca é demais lembrar que somente pode reclamar do chefe quem tem trabalho. Que somente pode-se reclamar dos filhos porque eles estão lá. Ninguém sem família reclama das discussões em casa. Seja justo. Dois pesos, duas medidas...A idéia não é fechar os olhos para o que está fora do lugar, mas abri-los para perceber o que já está dentro do lugar. Experimentar a energia da gratidão ao pagar uma conta, porque se tem como pagá-la ou por estar preso no trânsito porque se tem um carro para estar ali é atitude muito mais lúcida do que cômoda. Ou você conhece alguém que é ingrato e é feliz? Eu não conheço ninguém assim.
    Boa parte da humanidade quer paz espiritual, crescer na carreira, prosperar justamente, uma boa saúde e uma família feliz. Mas o que muita gente não se dá conta é que já tem muito do que deseja, mas não dá o devido valor. Cuidado! Não é preciso que percamos o que nos é muito caro para aprendermos a valorizar o que já temos. É essencial passo a passo caminharmos rumo a novos progressos, sem perder de vista tudo o que já amealhamos. É como dizem os viajantes: o melhor da viagem não é chegar onde se quer, mas a viagem em si, sentindo aquela brisa gostosa batendo em nosso rosto enquanto temos consciência que estamos ali, viajando, desfrutando intensamente daquele momento. Sem dúvida, a gratidão-terapia é algo para refletirmos a respeito.

    Que você tenha um lindo e maravilhoso dia Antonio

    http://curiosidadesdoplantaterra.blogs.sapo.pt/

    http://oblogdasnoticias.blogspot.com/

    http://clikamigoss.blogspot.com/

    Agradecemos sua visita em nossos blog

    Amigo sai de dihitt achei que ali tinha muita marmelada ninguem votava nas minha noticia e eu procurava ajudar a todos.

    ResponderExcluir

Obrigado por ler e comentar este post.
Abraços e volte sempre.