quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Casa do Pontal

Na semana passada recebi e-mail da minha querida Célia Barroso propondo um passeio bem carioca: visita ao Museu Casa do Pontal e depois almoço em Guaratiba. Seria uma oportunidade para colocar o papo em dia e matar saudades das nossas sessões de Pilates. Para completar a nossa "turma", Maria da Fé, outra amiga querida, iria nos levar no seu "carro dos sonhos". Por incrível que pareça eu ainda não conhecia os deliciosos restaurantes de Guaratiba, tampouco passado por Grumari, Prainha e arredores. Certamente, devido à distância, pois qualquer programa que inclua Barra e Recreio é sinônimo de horas no trânsito. Mas estar ao lado de pessoas tão queridas e gentis, não tem preço.

Museu Casa do Pontal

Já conhecia a fama do Museu Casa do Pontal e sempre tive vontade de visitá-lo. Sabia que abrigava peças do nosso artesanato. E cheguei a pensar que ficava instalado à beira mar. Acho que foi influência da música "Do Leme ao Pontal". Para minha surpresa, o museu fica numa reserva ecológica, cheio de árvores, canto de pássaros e um perfume de natureza incrível.
Atualmente o museu é considerado o mais significativo espaço de arte popular do Brasil. São mais de 5 mil obras de artistas de diversos estados brasileiros, expostas em 1500m² de galerias, mostrando cenas do cotidiano, festas religiosas, profissões, etc. Todo o acervo, que foi tombado em 1991, foi reunido e catalogado pelo francês Jacques Van de Beuque, durante mais de 40 anos. Jacques deixou a Europa no pós-guerra e veio para o Brasil estimulado pelo pintor Cândido Portinari. Ao chegar aqui apaixona-se pela arte popular. Viaja pelo Brasil, conhece artistas e começa a colecionar diversas obras.
A Casa do Pontal é uma homenagem que Jacques faz ao país que o acolheu: "Num mundo corrupto, dominado pela violência e pelo ódio, é saudável encontrar outro universo, criado por mãos habilidosas de artistas humildes e honestos" (Jacques Van de Beuque).
Belas palavras. Isso confirma o meu pensamento: a arte é uma revolução.

Fachada principal do Museu

Célia caminhando em direção ao universo de Jacques Van de Beuque.

A exposição permanente está muito bem organizada, dividida por temas com peças a partir da década de 50.

(Fotos do Ney e da Fátima)

Não se assustem, sou eu mesmo em carne e osso interagindo com a obra.

No final tudo acaba em samba: esta obra reproduz o Sambódromo do Rio de Janeiro. Um verdadeiro desfile de Escola de Samba, com direito a tudo. Os bonecos fazem os movimentos, basta apertar o botão e o samba rola na avenida.

Outra foto do Ney. Detalhe de um estandarte exposto no bar do museu. Mas afinal quem é o Ney? Quem é a Fátima? São amigos dos tempos de escola da Maria da Fé. E daqui a pouco eles vão aparecer neste post.

Maria da Fé não resistiu e fez compras na lojinha do museu. O que será que tem dentro desta bolsa???

Primeira parte do programa realizada.... está na hora de ....
Comer os deliciosos pastéis de camarão do restaurante da Tia Penha. Crocantes, sequinhos e muito gostosos. Pedimos 10 e sumiram rapidinho.

Aqui a nossa turma toda reunida e pronta para saborear moqueca de camarão e um peixão delicioso (era Namorado?). Da direita para a esquerda: Maria da Fé, Jorge, Célia, Fátima e Ney. O Restaurante da Tia Penha é um dos muitos que fazem parte do roteiro gastronômico de Guaratiba e atrai multidões. A comida é honesta e muito saborosa. Meu début foi com pé direito.

Enfim, um sábado ímpar! E já estou com saudades querendo repetir a dose!

11 comentários:

  1. Jorge
    Que bonito este post. Dá vontade de lá ir. O artesanato sempre me fascinou. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Olá Jorge,
    Quando vier ao Rio, este é um passeio que eu recomendo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Oi Jorge,

    Foi realmente um dia especial. É impressionante a variedade de programas que o Rio nos proporciona. Também já estou querendo repetir a dose, mas acrescentando um final de tarde na beira do mar de Grumari ou da Prainha...

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Que delícia de passeio, que delícia de museu. Vale a pena mesmo: amigos, arte, cultura, ahhh, e tem coisa melhor do que isso? Estou quase em férias, aí eu tiro o atraso e saio da clausura. Não tenho nenhum museu do Pontal por aqui, mas tenho outros que também são maravilhosos. Acredita que aqui perto, em São Francisco do Sul, tem o Museu do mar? É lindo! Tem até um I.A.T do Amyr Klink. Besos, adorável Jorge!

    ResponderExcluir
  5. Célia
    Este é um dos privilégios do carioca, né? Informo que já estou disponível para esse fim de tarde..r.s
    beijos

    Luciana
    Vc mora num lugar lindo. Floripa tá cheia de atrativos. Como vc bem pontuou, nada como estar com nossos amigos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Você descreveu bela e perfeitamente o Museu casa do Pontal e todo seu significado.Felizmente o mundo gera pessoas sensíveis como o Jacques, para dar dimensão a arte popular que era considerada menor, e a frase dele, não poderia ser mais tocante! beijos

    ResponderExcluir
  7. Adoro este tipo passeio! Ler este post já me fez viajar um pouco. Achei muito criativa a apresentação do desfile das escolas de samba, e o quadro (representando São Sebastião?) é lindo! O lugar parece ser maravilhoso, não sabia do Museu do Pontal, e com a natureza ao redor, então!
    Beijos, Jorge, e bom final de semana!

    ResponderExcluir
  8. Olá Jorge.
    Já estive por aqui várias vezes (cheguei aqui pelo Conexão Paris) mas só hoje vou deixar um recadinho.
    Achei muito interessante seu comentário sobre a goiabada cascão de Rio Doce/MG, que tem o seu nome.
    Vc acredita que tenho um grande amigo (padrinho do meu filho) que é de lá?
    É uma pequenina cidade da Zona da Mata Mineira e ele me explicou que Jorge é uma localidade na zona rual da cidade, onde é feita a tal goiabada. Ele disse que é realmente saborosa!
    Vou ver se consigo uma para você.
    Parabéns pelo blog.
    Abraços,
    Adriana Pessoa/ BH

    ResponderExcluir
  9. Meg
    Pois é minha amiga, precisou um estrangeiro vir de longe para nos dizer essas verdades.

    Dani
    Anote no seu caderninho: quando vier ao Rio visite, pois vais gostar.

    Adriana
    que prazer tê-la aqui. ôba já aguardo a minha goiabada.

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Caro amigo
    Gosto de Montmartre e seu lado baixa boemia. Não moraria lá, mas gosto de andar pelas ruas e ruelas. Mais interessante que certos bairros chics de Paris.

    ResponderExcluir
  11. Lina
    Que prazer receber sua visita. Também gosto de Montmartre, mas confesso que só da parte de cima. ali eu ando em todas as ruas, é bem legal. A parte de baixo é que é um pouco diferente, mas dá para andar numma boa tb.
    Um abraço

    ResponderExcluir

Obrigado por ler e comentar este post.
Abraços e volte sempre.