quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

MuseumsQuartier Wien

Imagine um espaço de sessenta mil metros quadrados dedicados a arte. O MuseunsQuartier Wien (Bairro de Museus de Viena) é este lugar. Um complexo com museus, galerias de arte, lojas, restaurantes, bares da moda e muita gente antenada.

O Bairro dos Museus está localizado no antigo centro da cidade, onde no passado eram os estábulos imperiais. Ou seja, foi feita uma grande revitalização no espaço, que hoje abriga o Museu de Arte Moderna, o Leopold Museum e o pavilhão Kunsthale Viena, além do Centro de Arquitetura de Viena, um Teatro e um Museu Infantil. De todo o complexo, optei pelo MUMOK - o Museu de Arte Moderna - que pode ser visto na foto abaixo.

Esses bancos fazem a festa dos vienenses e dos turistas que ficam confortavelmente reclinados. Eu pensei em fazer a foto deitado , mas estavam geladíssimos. Dá para notar que não tem ninguém. Porém, por volta de meio-dia fica lotado.
Na foto abaixo o Leopold Museum. Dizem que tem um acervo maravilhoso, mas a visita ficou para uma próxima ida à Viena.

domingo, 26 de setembro de 2010

KUNSTHISTORISCHES MUSEUM

Conseguiu ler em voz alta o título deste post? Complicado, né? Pois bem, essa sopa de letras tem como tradução: Museu de História da Arte. E foi mais um dos museus que visitei em Viena, num dia ensolarado e frio de outubro de 2007.

O Kunsthistorisches Museum é um dos primeiros museus de belas artes e artes decorativas do mundo. Foi inaugurado em 1891, construído por Gottfried Semper e Karl von Hasenauer em estilo renascentista italiano para abrigar a vasta coleção imperial dos Habsburgos, que ao longo dos séculos foram entusiásticos patronos das artes. Seu acervo é um dos mais ricos em seu gênero, e foi formado a partir dos gabinetes de arte e curiosidades dos Arquiduques Ferdinando e Leopoldo Guilherme, e do Imperador Rodolfo II. A coleção abrange peças desde a antiguidade grega, romana e egípcia até a arte barroca, e está dividida na sede principal em Viena e nos museus subsidiários do Castelo de Ambras e no Museu Lipizzaner, em Innsbruck, e nos palácios de Hofburg e Schönbrunn, também em Viena.

Logo na entrada subimos os degraus contemplando a bela escultura "Teseu vencendo o centauro", esculpida por Antonio Canova.
Além de toda a beleza das diversas coleções, o prédio - como não poderia deixar de ser - encanta pelo seu estilo e imponência.

Nos finais de semana improvisam um restaurante/salão de chá no segundo andar do museu. Quando eu cheguei estava bombando, duas horas depois começaram a desmontar tudo.

Visitei a Coleção Egípcia e a de Antiguidades Gregas e Romanas, mas passei a maior parte do tempo na Galeria de Pinturas.

"Infanta Margarita Teresa Vestida de Azul" de Velázquez

Rembrandt by himself

.
Visitar o Kunsthistorisches Museum em Viena é um grande prazer. Impossível conhecê-lo em um único dia. Aconselho deter-se no tipo de arte que você gosta e aproveitar tranquilamente. Melhor do que passar correndo pelas coleções e não absorver nada. Tenho um amigo que se pudesse moraria dentro das Coleções de Arte Egípcia, tamanha a sua paixão pelo tema. Eu já prefiro as pinturas, mas não sei se moraria em uma galeria de um museu...rs. Há sempre muito o que ver, muito a aprender. É preciso tempo e disposição e, claro, gostar. Não dá para visitar museu sem gostar. Às vezes viajo sozinho por conta disso. Não tem nada pior do que programar uma visita a um Museu e o seu acompanhante não gostar e achar tudo um saco. Assim, é melhor cada um fazer o seu programa. Em geral, mesmo quando acompanhado acho que a visita a museus deve ser feita individualmente. Cada um precisa dessa experiência sozinho e depois da visita o reencontro para um chá ou café e muita conversa sobre o que foi visto. Este é o meu roteiro ideal. E como seria bom se as pessoas que visitam Museus e exposições em geral fossem mais comedidas. Falo isso porque fico incomodado com aqueles que tagarelam o tempo inteiro, ou pior, os que para demonstrarem cultura ou algum saber começam a dar aulas sobre o pintor, a obra, etc. Os comentários dos "entendidos" são entediantes.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Palácio Belvedere - Viena

No meu primeiro post após o recesso, publiquei a foto de um palácio e não disse onde ficava. Adriana Pessoa, amiga do Blog, acertou em cheio dando o nome e localização: Palácio Belvedere em Viena. A foto foi uma pista para a série de posts que decidi fazer sobre Viena, capital da Áustria, que visitei em Outubro de 2007. Viena é uma cidade que encanta muitos turistas, mas por incrível que pareça não me causou tanto impacto. É bonita, mas fria. Talvez o excesso de organização tenha me irritado um pouco. Tudo certinho demais, quadradinho demais. Nada, absolutamente nada fora da ordem. O único senão foi uma parte da estação do metrô de KarlsPlatz, ali rola algo misterioso, umas pessoas esquisitas, um entra e sai nos banheiros. Mas foi só isso, no mais Viena é a cidade mais segura do mundo. Pode-se andar de dia/noite/madrugada sem qualquer medo.


Palácio Belvedere



O Palácio é conhecido como um dos edifícios barrocos mais bonitos do mundo. Já foi o Palácio de Verão do Império Austro-Húngaro e atualmente abriga a Galeria Austríaca de Arte com diversas coleções dos séculos XIX e XX. É onde está reunida a maior coleção de obras de Klimt, inclusive o famoso "O Beijo" está lá, quer dizer, espero que ainda esteja. Havia rumores, em 2007, de que muitas obras retornariam aos seus donos, por terem sido confiscadas no período da 2ª Guerra Mundial, quando o país estava sobre o domínio dos nazistas. Torço para que ainda esteja lá, a arte deve ser compartilhada com todos e não ficar encerrada na sala de um colecionador. É o que eu penso.
Acordei muito cedo e parti para o Belvedere. Ter chegado antes de o Palácio abrir foi uma das melhores coisas que fiz. Além de evitar filas e a multidão de turistas, pude fotografar o Palácio sem a participação de figurantes. O cenário foi exclusivamente meu.

O domingo estava radiante, sol a pino, céu azul e um frio de 8 graus congelante.


Aí está o famoso quadro "O Beijo" pintado por Klimt entre 1907/08. Nem preciso dizer que fiquei sem fôlego ao contemplá-lo. É um dos trabalhos mais românticos que já vi na vida. Fotografar? Nem pensar. É terminantemente proibido. As únicas fotos que consegui fazer internamente foram do salão anterior á sala de exposição e mesmo assim, porque a Vigilante saiu da sala.



O Belvedere está divido em duas partes , a Superior onde está a Galeria de Arte e a inferior, onde encontram-se o Museu do Barroco e o Museu de Arte Medieval. Depois de visitar a Galeria basta atravessar o imenso jardim com belas esculturas e chega-se aos pequenos museus.

O jardim estava passando por reformas na época da minha visita, mas mesmo assim mantinha características imponentes. Reparem na beleza desta Esfinge.

Passei toda a parte da manhã no Belvedere e depois da minha visita que durou mais de três horas segui para o Quartier dos Museus. Viena tem um bairro só com Museus. Dediquei o final de semana à arte. E depois eu explico o porquê disso.

domingo, 19 de setembro de 2010

A Carpa

Uma celebração de Pessach, a Páscoa Judaica, é o pano de fundo para um confronto de gerações. Mãe e filha, judias, em épocas diferentes, discutem suas posições e seus pontos de vista em relação, entre outras coisas, ao mundo em que estão vivendo, à religião, até mesmo ao corte de cabelo e, mais que tudo, ao amor. Esta é a história de "A Carpa", texto de Denise Crispun e Melanie Dimantas, estrelada por Ivone Hoffman e Carolyna Aguiar.

O Pessach para os judeus é uma das mais festejadas celebrações, pois é quando comemora-se a libertação do povo judeu da escravidão sob o jugo dos egipcios. É um momento especial e o Seder de Pessach (jantar de Páscoa) é o momento de reunião das famílias, onde se come o tradicional guelfite-fish entre outras iguarias como a deliciosa borscht (sopa de beterraba). E neste clima de preparação de jantar compartilhamos os momentos da mãe e da filha.
Como acontece em toda reunião familiar com mais de duas pessoas, os embates são previsíveis e numa família judaica não é diferente. E nem precisamos falar aqui das características da "mãe judia", na verdade mãe é sempre mãe, independentemente da nacionalidade. Afinal toda mãe só quer o melhor para os seus filhos. E os sempre acham que as suas escolhas são as melhores. Pode ser, ou não.
O texto de "A Carpa" é delicado e cheio de nuances, mostrando as posições da Mãe e da filha, sem querer pregar quem está mais certa; mas procura, antes de tudo, mostrar o amor que existe na relação mãe e filha.

"A carpa" é um espetáculo bem cuidado, com bom texto e ótima direção de Ary Coslov que tem a sua disposição duas atrizes de talento: Ivone Hoffman e Carolyna Aguiar, respectivamente Mãe e Filha. As atrizes interpretam 4 personagens, mostrando as posições de Mãe e Filha em épocas diferentes na Rússia e no Brasil. São momentos muito bonitos e bem interpretados, com destaque maior para Ivone Hoffman que cativa a platéia com a atuação perfeita da cuidadosa e espirituosa Mãe Judia. E o clima familiar se completa com o cenário que mostra em momentos distintos uma cozinha equipada no Brasil da década de 60, com uma bela geladeira azul e um fogão daqueles com abas e estufa e outra cozinha ambientada na Rússia uns 40 anos antes. Além disso, o espetáculo conta com um trilha sonora caprichada, a cargo do diretor Ary Coslov, com clássicos do cancioneiro judaico. Vale registrar, também, os jingles das propagandas da década de 60 acompanhadas com alegria pela Mãe.

"A Carpa" é um desses espetáculos que nos fazem bem e que lamentamos quando acaba. Imperdível!

******

Anote:

Onde: Teatro Nelson Rodrigues (Caixa Cultural)

Quando: de quinta a domingo (até 26/09) - 19h30

Quanto: R$ 20

sábado, 18 de setembro de 2010

TV Brasileira, 60 anos depois

Hoje celebramos 60 anos da Televisão Brasileira. E quem tem mais de 50 anos deve lembrar do simpático indiozinho da foto acima. O personagem era o ícone da TV TUPI. É claro que eu não me lembro, pois minha memória televisiva começa nos anos 70 e ainda não cheguei aos 50. Porém, sempre estive antenado com a televisão e suas fantásticas produções. Tenho vivo na mente os capítulos imperdíveis de "Selva de Pedra", novela da TV Globo estrelada por Regina Duarte e Francisco Cuoco. Na minha época de criança os aparelhos de TV eram assim: e as marcas eram Zenith, Telefunken... bons tempos. Não havia TV a cores muitas famílias colocavam telas sobre o vídeo para ver TV, literalmente, colorida. Cresci assistindo televisão. Gostava de imitar as propagandas, o National Kid e não perdia o "Capitão Aza" - uma espécie de super-herói brasileiro. Acho que passava na TV Tupi do Rio de Janeiro. e era escrito com Z mesmo.
Depois veio Sítio do Pica-pau Amarelo, Daniel Azulay, Plim-Plim - o mágico do papel e tantos outros programas que fizeram parte da minha infância e me fizeram sonhar e sair do real para um mundo imaginário.
Acredito que ninguém no mundo faz TV como no Brasil, principalmente as novelas, que fazem parte da cultura nacional. Eu já disse várias vezes que ia parar de ver, mas aí começa uma nova história e acabo acompanhando. E assim vai.

De 1950 para 2010 muita coisa mudou. Novos programas, novos formatos. Boas produções, outras nem tanto. E os aparelhos estão cada vez mais modernos. Já tem até modelo em 3D - o que acho dispensável. e a nossa televisão brasileira conitnuará brilhando.
Esta é a minha pequena contribuição, para celebrar este dia, e homenagear todos os profissionais que fizeram e ainda fazem nossa televisão: Sílvio Santos, Chacrinha, Hebe Camargo, Glória Menezes, Regina Duarte, Francisco Cuoco, Tarcísio Meira, Ronald Golias, Nair Bello, Chico Anísio, Jô Soares, Lolita Rodrigues, Jorge Perlingeiro, Lima Duarte, Paulo Gracindo, Moacyr Franco, Zilca Salaberry, Bolinha, Raul Gil, Luiz Gustavo e todos os diretores, cenógrafos, contra-regras, continuístas e técnicos em geral, Parabéns!!!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Bom dia!

Estou de volta depois de um pequeno período de recesso. Obrigado pela compreensão. e para dar um gostinho dos próximos posts que virão uma foto para aguçar a curiosidade de vocês.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Recesso

Queridos leitores, amigos e visitantes
Estou entrando de recesso hoje e volto no próximo dia 15, com força total e posts inéditos.
Obrigado pela atenção e pelo carinho.
Abraços
Jorge Fortunato