quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Plano B, por acaso

Quando viajo, se uma programação não dá certo, tento um  Plano B e procuro aproveitar o dia ... afinal estou passeando e curtindo a vida, não é mesmo? Ao encontrar o portão da Huaca Pucclana fechado, na hora pensei nas diversas possibilidades de programas que Lima me oferecia, mas esbarrei no feriado. Será que encontraria outro museu fechado? E como acontece nas novelas, havia um taxista parado próximo - acho que ele já sabia o que poderia acontecer - me dirigi até ele e comecei a conversar e perguntei se era comum algumas atrações fecharem no feriado. Ele disse que alguns museus estariam fechados, mas que havia alguns particulares que estariam abertos e que poderia me levar. Como já disse aqui,  os táxis em Lima não tem taxímetro e logo pensei que ia entrar numa roubada. Porém, o simpático motorista disse que me levaria até ao Museu Larco Herrera por apenas 25 Soles (mais ou menos uns 16 reais) - bem razoável. Conversamos um pouco mais e o taxista me disse que poderia parar um pouco em San Isidro para que eu fizesse umas fotos. Tudo acertado, partimos.

Em poucos minutos chegamos em San Isidro - bairro mais chic, mais verde e mais rico de Lima. O vaso enorme da foto acima é herança dos tempos de fabricação de azeite. San Isidro tem um grande bosque de oliveiras.

 Um outro equipamento usado na produção de azeite.

Foi um passeio bem agradável por San Isidro. Não ficamos mais tempo porque o táxi não podia ficar parado na rua, sob risco de sofrer uma multa.
Eu já estava bem satisfeito com tudo. Mas aí veio uma grande surpresa. A Huaca Huallamarca - outro sítio arqueológico - estava aberta e o falante Miguel Sánchez - o taxista - disse que poderia descer e visitar. 

 A Huaca Huallamarca é o sítio arqueológico mais importante de San Isidro.

Um rápido histórico para situar: O nome de Huallamarca deriva do vocábulo  quechua “marca” que significa, comarca ou povo e Hualla era o nome de uma tribo.Quando os Incas no século XV chegaram à costa, encontraram o vale de Lima povoado  por várias tribos, uma delas era os Huallas.Os Huallas utilizaram o lugar para enterrar seus mortos, depois, provavelmente, as terras de cultivo foram úteis para outros fins que não foram agrícolas. A estrutra da Huaca se assemelha a uma pequena colina, resultado conseguido através da superposição de tijolos de 20 x 20, aproximadamente, feitos à mão. É provável que tenha sido, em sua origem, um lugar cerimonial. Seu destino posterior começa com o abandono e desaparecimento dos seus donos por causas desconhecidas. (*)


 Máscaras e outras objetos estão expostos no pequeno Museu.

E até essa múmia de uma criança - provavelmente morta em ritual, como sacrifício aos deuses, prática muito comum dessas culturas.

A grande colina que leva ao topo da pirâmide da Huaca Huallamarca...

 ... de onde podemos avistar as ruas de San Isidro e os seus prédios modernos.
Um contraste interessante entre o passado e o futuro. Tudo muito bem preservado.
A visita não durou mais que 30 minutos. Miguel esperava tranquilamente para a nossa próxima parada: Museu Larco Herrera.

(*) Traduzido do site sanisidrolima.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar este post.
Abraços e volte sempre.