quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Uma festa privilegiada!

1991 - tive uma experiência que despertou a minha paixão pelo teatro: assisti "Um Certo Hamlet" primeira peça da Companhia Os Fodidos Privilegiados, sob a batuta de Antonio Abujamra. Era tudo muito diferente do que poderia esperar, muito além de qualquer expectativa. Saí do Teatro Dulcina encantado com a encenação e o talento das atrizes Cláudia Abreu, Suzana Faini e Vera Holtz. E mais ainda com toda a ousadia daquela companhia. Em 1992 iniciei um curso de interpretação e participei da montagem de "Isso é tudo" de Harold Pinter - éramos pretensiosos - como apresentação de final de curso. Seguiria com os estudos de Teatro em outras escolas, mas os rumos da vida foram outros e não prossegui. Não sei se o Teatro perdeu um bom ator, mas ganhou um fiel espectador e amante dessa arte. Os Fodidoss Privilegiados continuaram com seus maravilhosos espetáculos e eu assisti a maioria deles.
2011 - vinte anos depois - volto ao restaurado Teatro Dulcina palco que abrigou o grupo  durante muitos anos e assisto  "Uma Festa Privilegiada!", espetáculo comemorativo dos 20 anos de sucesso do Grupo. A encenação é uma grande colagem de cenas memoráveis das diversas peças montadas pela companhia como "Um certo Hamlet",; "O Casamento"; "O Auto da Compadecida"; "Tudo no Timing", entre outras, além dos tributos e das homenagens aos atores que trabalharam com a companhia e já partira como Paulo Autran e Luiz Carlos Arutin.
Foi uma volta no túnel do tempo da minha vida. Durante o espetáculo relembrei as peças que vi, os amigos daquela época, as saídas pós teatro...
No palco os atores que sempre participaram dos espetáculos e aqueles que já deixaram a comapnhia mas voltaram para uma participação como Guta Stresser, Juliana Baroni, Rafaela Amado, Sergio Marone, Thelmo Fernandes, só para citar alguns, pois ao todo eram mais de 50 atores. Todos apaixonados pelo Teatro.
A noite do último sábado (27) foi especialíssima, tanto pelo aniversário da Companhai, quanto pela reabertura e restauração do Teatro Dulcina que ficou fechado durante muito tempo e que volta agora para continuar apresentado espetáculos de qualidade para o público carioca. Nós merecemos. Viva Teatro! Vida longa aos Fodidos Privilegiados e ao Teatro Dulcina!

domingo, 28 de agosto de 2011

Tim Maia - Vale Tudo, o musical


"E nasce uma estrela!"- não teria outra frase para começar esse post sobre o espetáculo que conta a vida do cantor Tim Maia. E digo isso porque o protagonista Tiago Abravanel está impecável do início ao fim, esbanjando talento e arrebatando o público com uma interpretação apaixonada. E é a interpretação  e o carisma de Tiago que faz o espectador ficar 3 horas no Teatro completamente hipnotizado, cantando e lembrando Tim Maia. Baseado na biografia "Vale tudo - O som e a fúria de Tim Maia" escrita por Nelson Motta, o espetáculo foi adaptado pelo próprio autor e pelo diretor João Fonseca. E nessas três horas - que passam voando - mergulhamos na história do carioca da Tijuca, amigo de Roberto Carlos e Erasmo, caçula de 12 irmãos, dono de um vozeirão e autor de vários hits de sucesso que marcaram gerações. Acompanhamos toda a trajetória do cantor a partir dos 12 anos de idade até os momentos finais, quando morreu aos 55 anos. 

E assim como no livro, o musical vai apenas narrando os fatos da vida do cantor, tudo entremeado com as diversas canções que não seguem - obviamente - uma linha cronológica, mas que se encaixam na história de vida do cantor. A montagem é bem cuidada e a direção de João Fonseca deixa claro que o foco é o homenageado. O elenco reúne ótimos cantores/atores que se revezam nos diversos papéis e estão muito à vontade nos diversos números de dança do espetáculo. A Banda que acompanha o elenco é muito boa e os arranjos estão muito bem produzidos, o que é essencial para um bom musical.

 
E por mais que já tenha sido falado não é demais repetir: Tiago Abravanel é o espetáculo. É como se o próprio Tim Maia estivesse no palco, tamanha a entrega do ator ao  personagem. Algo realmente incrível e emocionante. "Tim Maia - Vale Tudo, o musical" é garantia de bom entretenimento e alegria, tanto para quem assiste quanto para quem faz. Imperdível.
*****
Anote:
Onde: Teatro Carlos Gomes
Quando: Qui a Sáb - 20h / Dom - 18 h - Até 4 de setembro!
Quanto: Qui, Sex e Dom - R$ 40 / Sáb - R$ 50

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A Varanda de Golda

Sempre me perguntam  por que gosto tanto de ir ao Teatro. Respondo que a minha vida é puro teatro e por isso vivo lá. Mas é brincadeira. O Teatro para mim tem um significado muito especial e vai além do simples entretenimento e a pizza. E esse blábláblá todo é para dizer que o Teatro nos permite viajar no tempo , conhecer personagens e tentar entender um pouco esse mundo tão complicado. E o Teatro é sempre uma grande emoção. E foi essa a sensação que tive ao conhecer um pouco da história de Golda Meir no espetáculo "A Varanda de Golda" estrelado por Rosane Gofman.
Golda Meir é, sem sombra de dúvidas, uma das personagens mais importantes da história de Israel. Num cenário onde a presença masculina é forte, Golda teve papel de destaque na construção da nação judaica. Desde muito jovem lutou por isso e assim foi a sua brilhante trajetória, até a Guerra do Yom Kippur, em 1973, quando esteve ligada a todas as etapas desse episódio, tomando decisões bastante difíceis - no papel de primeira-ministra -  que a abalaram e agravaram ainda mais seus problemas crônicos de saúde.


"A Varanda de Golda" foi escrita pelo americano Willian Gibson e estreou na Broadway em 2003, fazendo grande sucesso. Agora chega aos palcos brasileiros com boa tradução de  Rogério Martins e direção de Ary Coslov e Marcelo Aquino.  O espetáculo é simples, mas bem cuidado. No palco um banco de pedra e um grande painel com fotos de personagens judeus compõem o cenário de Colmar Diniz, responsável, também, pelo figurino. A iluminação de Rogério Wiltgen é perfeita e está em harmonia com a trilha sonora escolhida pelo diretor Ary Coslov, dando ao espetáculo o tom intimista dessa conversa da personagem com a plateia.

Foto: Guga Melgar
Rosane Gofman, atriz com mais de 30 anos de carreira, dá vida a esta mulher forte, enérgica, que prepara a canja, mas também comanda o desenvolvimento das armas mais destrutivas que o homem criou: as armas nucleares. Porém, alternando os momentos  difíceis, Golda é uma figura doce, que fala da sua paixão pelo Sionismo e pelo marido Morris.
Rosane Gofman, muito bem dirigida por Ary Coslov e Marcelo Aquino, tem uma atuação irrepreensível, apaixonada, dedicada. Fruto de um trabalho feito com carinho e muito bem conduzido pelos diretores. Atuar em um monólogo não é tarefa fácil, é preciso conquistar a plateia desde o início. Rosane Gofman não deixa a peteca cair e conquista o público com sua performance digna dos nossos maiores aplausos.
*****
Anote:
Onde: Teatro do Solar de Botafogo
Quando:  Qui a Sáb, às 21h / Dom, às 19h30
Quanto:  R$ 50 (Qui e Dom) / R$ 60 (Sex e Sáb)

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Contos de Sedução

Há alguns anos acompanho o trabalho do Grupo TAPA de São Paulo e já assisti diversos espetáculos dessa troupe. Em mais uma visita ao Rio de Janeiro - sempre curta - o TAPA apresenta a peça "Contos de Sedução", baseada na obra do escritor e poeta francês Guy de Maupassant. A tarefa de transpor para o teatro os textos de Maupassant coube a Jonathan Amacker, autor norte-americano radicado no Brasil, que adaptou seis dos cerca de 300 contos, especialmente para este trabalho do Grupo TAPA.
A peça retrata encontros e desencontros do amor na segmentada sociedade francesa da belle époque, percorrendo situações vividas pelas diferentes classes, desde as mais populares até a alta aristocracia. O tom predominantes nos textos é de comédia.
Como já podia esperar os trabalhos do Grupo TAPA trazem a assinatura do seu diretor, Eduardo Tolentino de Araujo e o que assistimos em cena é um espetáculo simples e de muito bom gosto. O cenário, adaptado para o formato de arena é composto por alguns móveis e muitos tapetes, tudo muito bem iluminado e acompanhando por boa trilha sonora. Dando vida aos diversos personagens dos contos estão em cena Zécarlos Machado, Brian Penido Ross, Fernanda Viacava, Isabella Lemos, Daniel Volpi e Natália Moço. O elenco se sai muito bem, resultado do trabalho do diretor Tolentino que com boas marcas conduz o espetáculo com firmeza. mas não podemos deixar de falar do experiente e talentoso Zécarlos Machado que interpreta Guy de Maupassant entre outros personagens. E como é bom vê-lo em cena! Machado é um desses atores que tem o tom certo da interpretação e conquista o espectador imediatamente. "Contos de Sedução" é mais um bom momento do Grupo TAPA. Um encontro entre literatura e teatro que deve despertar o interesse pela obra de Guy de Maupassant, de quem já li nos tempos de Aliança Francesa os "Contes de la Bécasse".
****
Anote:
Onde: Teatro de Arena da Caixa Cultural
Quando:  Qui a Dom às 19h30 (até 28 de agosto)
Quanto: R$ 20

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Outside - Um musical noir


Livremente inspirado no universo artístico do cantor David Bowie,  Outside - Um Musical Noir é o mais novo espetáculo da trupe "Aquela Companhia de Teatro"´, que está em cartaz no Espaço Tom Jobim.
A história é ambientada no final do milênio num cenário caótico e habitado por figuras muito estranhas que frequentam uma galeria de arte. Certo dia, chega a notícia do desaparecimento da jovem Norma Jean Baker. Segundo rumores, a jovem teria sacrificado seu corpo em uma performance macabra, tudo em nome da Arte. Mas um assassinato pode ser considerado uma obra de arte?  Essa é a questão anunciada pela equipe do professor Teodoro Adorno. E as respostas serão dadas em meio ao som pesado do rock. 


A montagem desse musical é muita bem-vinda à cena carioca. De vez em quando é preciso que o público assista um espetáculo, de fato, contemporâneo e ousado. E é exatamente isso que encontramos ao assistir Outside. Desde o bom texto escrito por Pedro Kosovski (responsável também pelas músicas originais), passando pelo cenário, figurinos e iluminação. Com direção de Marco André Nunes e Direção Musical de Felipe Storino, Outside tem no elenco Letícia Spiller, André Mattos, Jorge Caetano, Bruno Padilha, Gabriela Geluda, George Sauma, Laura Araújo, Remo Trajano, Marina Magalhães,  Paula Otero e Carolina Lavigne. Acompanhando o elenco a ótima banda Outsiders toca ao vivo todas as músicas do espetáculo com canções de David Bowie e outras compostas exclusivamente para o musical.


A atuação do elenco é brilhante e todos estão devidamente integrados ao espetáculo. Ponto da direção que conseguiu deixar os atores à vontade, mas sem que tivessem caído no exagero. Num espetáculo desse nível qualquer deslize seria fatal, podendo cair no ridículo. Mas o grupo se sai muito bem nessa empreitada. E não temos como deixar de registrar os trabalhos de André Mattos, Jorge Caetano (que canta divinamente) e George Sauma - um jovem ator cheio de talento.


Outside - Um Musical Noir é um espetáculo vibrante, divertido e ousado. Excelente distração para quem anda em busca de novidades. Eu recomendo.
****
Anote:
Onde: Espaço Tom Jobim - Jardim Botânico
Quando: Sex e Sab - 21h / Dom 20h30
Quanto: R$ 60
Até 28 de agosto