quem escreve

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Carioca, apaixonado pelo Rio de Janeiro, apreciador das artes, das viagens e das pessoas que têm algo a dizer.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Turista em tempo integral

Uma das coisas que mais aprendi nesta viagem foi ser paciente e  saber esperar, pois tudo tem solução. E por que estou falando isso? A chuva. é a razão da minha paciência. Ou melhor, saber lidar com a chuva em viagens. Assim como faz sol e dias lindos; também chove, o céu fica cinza e você tem que prosseguir. E que bom que é chuva, poderia ser um terremoto e aí nada aconteceria mesmo.  Quando saí da Via Veneto, avistei o Palazzo Barberini. Com a ameaça da chuva, a visita seria ideal. Atravessei a rua e fui abordado por um rapaz que oferecia passeios turísticos em ônibus de 2 andares. Ele me mostrou o roteiro e vi que tinha uma série de lugares que queria ir, estava tão cansando e ainda com a ameaça de chuva. Decidi que ia ficar por conta do ônibus e faria a vista ao Palazzo Barberini mais tarde, uma vez que ali era o ponto de partida. 

E comecei visitando a Basílica de Santa Maria Maggiore. Esta igreja tem duas fachadas. Essa da foto é a da entrada e a outra vocês verão daqui a pouco. Reparem como o céu está carregado.
Com o tempo fechado, o interior das igrejas fica mal iluminado e como eu detesto ler manual de instrução, não conseguia regular a máquina fotográfica. Algumas fotos estarão muito escuras, outras claras demais. Ah e tem um agravante: os óculos. Fiz algumas fotos sem usar óculos e o resultado foi catastrófico. Ignorando tudo isso, vamos continuar. O interior dessa igreja é mesmo belo. E qual igreja italiana não tem o seu interior belo? Saí dali encantado e fui procurar a Chiesa de San Pietro in Vincoli, onde está a famosa escultura de Michelangelo - o Moisés. Com as minhas aulas de italiano via "Passione" (a novela, lembram). Fui perguntando: "Dove stai la chiesa San Pietro in  Vincoli? ...oh, grazzi mille. Buona giornata." E caprichava no sotaque! Quem via até pensava que eu falava fluentemente. Apesar das explicações cheguei até o final da rua indicada e não encontrei  a Igreja. Avistei um casal com um mapa na mão e me aproximei. Aí  tive que perguntar mesmo em inglês se eles sabiam onde ficava a Igreja. O simpático casal era espanhol e também procura San Pietro. Sugeri que procurássemos juntos e já nos tornamos velhos amigos. Pena que não fotografamos juntos.  Começamos a procurar e um gari nos passou a informação e finalmente conseguimos chegar. 
E eis o famoso Moisés de Michelangelo. Fiz dezenas de fotos e essa foi a melhor. Esse conjunto todo é o Mausoléu do Papa Giulio II. Michelangelo iniciou o trabalho em 1505 e só terminou em 1545! 40 anos. Soube que após terminar o Moisés, Michelangelo disse que a escultura só faltava falar de tao perfeita. Pegou um martelo e bateu no joelho da imagem dizendo: parla! Essa foi a história que uma senhora que trabalha na Accademia em  Firenze me contou. Será isso mesmo? Sei pouquíssimo sobre Michelangelo e fica o convite aberto para aqueles que souberem um pouco mais, confirmarem ou não este "causo".
Depois de ficar com o queixo caído e emocionado diante das barbas de Moisés, prossegui minha visita pela igreja. Tem sempre um anjo no meu caminho.
E aqui as correntes que prenderam o Apóstolo Pedro.
Me despedi de Javier e Rachel e voltei para a Basílica de Santa Marai Maggiore para esperar o próximo Ônibus que me levaria à Bocca della Veritá.
Na viagem de 2010 eu não consegui fazer essa visita e estava mega curioso para ver. A Bocca della Veritá funcionava como um oráculo na Idade Média e também como juiz. Se o culpado estivesse mentindo, poderia ter a mão decepada.  Como vocês podem observar a fila não era pequena. Todos querendo testar. Não pense que tirar a foto colocando a mão dentro da Bocca sairá de graça. Você paga a simbólica contribuição de 0,50 e só pode fazer uma foto. Eu até que consegui uma proeza, fiz 2 fotos, uma sem ninguém e depois pedi para a moça que estava atrás de mim na fila me fotografar.
Bocca: "Jura falar somente a verdade?"
Jorge: "Juro. Roma é a cidade maravilhosa!" Bocca: "Concordo, vá em paz  e divirta-se!"
A Bocca della Veritá fica na entrada da Basílica de Santa Maria in Cosmedin. Após fazer a sua foto você entra e visita a Igreja que é bem simples.

Durante a minha visita à Bocca della Veritá e a à Igreja caiu um temporal que durou uns 15 minutos. Foi o tempo necessário para descansar um pouco. A chuva passou e voltei para o ponto no Circo Massimo para pegar o próximo ônibus. Esse sistema é muito prático, pois a cada 20 minutos passa um ônibus e te deixa em outro ponto. E você pode usar o ônibus o dia inteiro até o último horário. como estava mega cansado do dia anterior, foi excelente.
Retrnei ao Palazzo Barberini para fazer a visita, mas ainda bem que parei para almoçar, pois adivinhem? Chuva, muita chuva em Roma. Eu sequinho dentro do restaurante. Sem fotos. A fome era maior. Mas comi uma massa com molho de tomate, nada demais. E depois da tempestade... a bonanza. A chuva parou, limpou o céu e tudo ficou azul. Esperei mais uns 10 minutos(a tal da paciência de viajar com chuva) e segui para o Palazzo que fica na Via delle Quattro Fontane, 13.
Sobre o Palazzo Barberini um pouco de informação via Wikipedia: "O palácio foi construído entre 1625 e 1633, ampliando na forma do primeiro barroco o edifício precedente, pertencente à família Sforza, o que criou uma estrutura caracterizada por um espectacular átrio em ninfeo, diafragma entre o alpendre de entrada e o jardim desenvolvido nas traseiras. O autor do projecto foi o ancião Carlo Maderno, coadjuvado por Francesco Borromini, sendo a obra terminada por Bernini.
Actualmente, o Palazzo Barberini acolhe parte da importante Galleria Nazionale d'Arte Antica (Galeria Nacional de Arte Antiga)."


Só a entrada com essas esculturas é o máximo e já dá uma ideia do que você vai encontrar lá dentro.

Fachada do Palazzo.

 Uma das entradas

E sempre uma bela escultura. E é tudo que se pode fotografar. E até que eu achei bom. quando você quer fotografar os quadros e tudo o mais, você acaba perdendo a emoção da contemplação, pois está preocupado se a foto ficou boa ou não. O que mais me surpreendeu foi a quantidade de visitantes: ninguém, quando comparamos com a Capela Sistina, por exemplo. Em todas as salas que visitei só uma ou duas pessoas. Nem preciso dizer que adorei. Nada como poder dialogar com as obras, sem a interferência dos diálogos em tom alto ou o empurra-empurra habitual dos grandes museus.
O acervo é maravilhoso, com obras de Andrea del Sarto, Bernini, Caravaggio, El Grecco, Cortonona, Rafaello, só para citar alguns. A cada sala uma nova descoberta. Além das obras, os afrescos de deixar você com torcicolo. Que tarde no Palazzo Barberini! E de tudo que eu vi nessa tarde, destaco dois momentos que me deixaram impressionado, bobo, bouche bée:

 Giuditta e Olorfene - (Caravaggio, 1599)

Quando vi esse quadro eu fiquei imobilizado por alguns segundos, respiração presa. A expressão dos personagens que compõem a cena é impressionante. São tantos detalhes que poderia levar horas para falar. Voltei duas vezes para ver. Acho que não estava acreditando.

(clique na foto para ampliar)

E quando pensei que não iria me surpreender com mais nada, chego no Salone di Pietro da Cortona e vejo umas pessoas deitadas num sofá olhando pra cima. Quando olho me deparo com um dos mais belos afrescos que já vi, depois daqueles da Capela Sistina. Pietro da Cortona, pintor e arquiteto, realizou esta obra intitulada "O triunfo da divina providência" entre 1633 e 1639. Uma verdadeira jóia do Barroco. é uma obra monumental, visto o tamanho do salão. Também me joguei no sofá e fiquei um bom tempo tentando acreditar no que os meus olhos estavam contemplando.
Saí do Palazzo e fui dar uma volta pelo pequeno jardim. O sol fraco era um presente naquela tarde de pura arte.


Terminei a minha visita e saí nas nuvens. E me questionava: Por que um lugar desses estava tão vazio? Será que os turistas que visitam Roma desconhecem a importância desse local? Atenção: Palazzo Barberini é obrigatório!
Subi um pouco a Via delle Quattro Fontane para ver as quatro fontes. Gostei particularmente de duas, mas para fotografar é meio complicado. É uma encruzilhada com carros ido e vindo e o espaço é mínimo. Vale a visita. E o


E voltei ao ônibus para continuar minha vida de turista em tempo integral!


Do alto desses ônibus conseguimos fazer ótimas fotos. Eu fiz várias e eis uma pequena mostra.

Piazza della Repubblica

Palazzo Massimo - próximo a estação Termini. Se não estou enganado aqui fica um museu de esculturas. Não entrei, pois já estava fechado. e nesse dia não poderia ver mais nada. Minha alma estava tomada pelas belezas do Palazzo Barberini e toda Arte Antiga.


Lembram da Igreja de Santa Maria Maggiore. Aqui está a outra fachada que fica na parte de trás. Agora com direito a céu azul. Tudo no mesmo dia. Caprichos da natureza e da primavera romana.

Parada obrigatória para visitar a Chiesa de Santa Maria in Aracoeli. Em 2010 não tive oportunidade de visitar, mas apesar do horário que cheguei ainda estava aberta e é linda.Fica na colina do Campidoglio.

Desci as escadarias e passei pelo monumento que até hoje divide os romanos:


O Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II . Dali do alto você tem uma vista de 360º de Roma. E vai ficar para minha próxima visita.

Consegui pegar o último ônibus, por volta de 19h30 e fiz mais um giro. E só no ônibus conseguiria fazer essa foto da Ponte Sant'Angelo com os belos anjos de Bernini.

E esse final de dia no Vaticano com a cúpula da Basílica de São Pedro ao fundo. Incrível começar o dia com céu cinzento, chuva e terminar assim. É como dizem, a cereja do bolo.
Depois desse périplo todo o que eu queria e precisava era deitar, descansar e dormir. Certo? Errado. Tomei um banho, massageei os pés e fui procurar uma Trattoria para o jantar. E encontrei a Trttoria Da Ugo al Gran Sasso (Via di Ripetta, 32). Jantei uma massa muito gostosa, tomei um vinho e pedi Tiramissu como sobremesa. Que sobremesa! O restaurante é pequeno, mesas próximas e fiquei tímido (logo eu) para fotografar. Ao meu lado  estava um casal alemão.  Quando chegou o Tiramissu o rapaz disse: "Oh it's delicious!" e foi o que bastou para começarmos um papo animado que se prolongou pela noite  e terminou com um convite para um licor e resultou na foto abaixo (sem timidez).


Eu com Anne e Joachim, um casal muito simpático de Sttutgart. Primeira vez que eles visitam Roma e estavam, como todos ficam, maravilhados.


Depois do jantar caminhei tranquilamente sob a lua e o céu estrelado. Na Piazza del Popolo algumas pessoas passeavam.

E agora sim, pernas para o ar!

21 comentários:

  1. Ai Jorge!
    Quanta coisa interessante e espetacular.
    É vero a história da escultura de Moisés, esculpida por volta de 1513-16.
    A demora para finalizar o túmulo de Julio II se deve ao fato de Michelângelo ter ido trabalhar para os Medicis, a família que o apoiou e o estimulou quando criança, em Florença. Ele só trabalhava no projeto do túmulo quando podia, ficando assim inacabado por 30 anos. A saga terminou em 1545, quando ele já tinha 70 anos. E não foi entregue o projeto inicial, que era grandioso e previa 40 estátuas.
    Para mim, Michelângelo é o maior artista que o mundo já viu.
    Vale a pena uma imersão na sua vida e obra.
    .....
    Adorei passear com vc em Roma, estou me divertindo horrores com sua narrativa inteligente e sempre bem humorada!
    E saiba que também amo tiramissu!!
    Bjs e estou esperando o próximo post!!

    ResponderExcluir
  2. Acho que tua exposição e fotos diz tudo que gostaríamos de ler sem conhecer o lugar.
    Obrigada, Fortunato.

    Maravilhada por ti e pela gente que leu.
    beijos, Maria Marçal - Porto Alegre - RS

    ResponderExcluir
  3. Jorge

    tô adorando sua viagem... tô aprendendo bastante tambem..realmente esses ônibus em Roma são muito legais...e adoro seu bom humor, e vejo que vc é dos meus, adora fazer uma amizade aonde passa,rsrsrsrsrs...
    meu problema é a barreira da língua, não falo nada alem do portugues, mas como diz um amigo: quem tem mãos vai a Roma,hehehehehe
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Jorge, as riquezas dos monumentos, artes, museus, chegam a emocionar! A Europa não tem igual. Depois do prazer diario de andar e satisfazer a mente com cultura, sim, colocar os pes para o ar!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Realmente a chuva é o maior iminigo de viagens! Já vi pessoas que detestaram uma cidade pois estiveram lá enquanto chovia, e eu fiquei com uma má impressão de LOndres pois quando estive lá choveu os 4 dias inteiros! Porém tive sorte e em Roma e Veneza não choveu um único dia!!! Mas agora aprendi a conviver com a chuva, nada de ficar trancada no hotel de cara feia, saio de guarda-chuva mesmo e aproveito para visitar museus, igrejas ou uma refeição caprichada em um restaurante ou café legal!
    Sobre Michelangelo, não me admira que ele tenha dito isso mesmo, pois tudo o que li sobre ele me mostra que era uma pessoa supercentrada em si mesma e pretencioso! Tudo o que eu detesto, então por isso prefiro Rafael, que por outro lado era uma pessoa modesta e apreciado por todos, mesmo com o seu talento incrível nunca deixou que isso subisse à sua cabeça!
    Realmente um pouco complicado para nós encontrarmos a igreja onde está o Moisés, mesmo com um mapinha ela ficava escondida e tinha que subir umas escadarias que eu achava que eram escadarias de um pátio interno, mas uns passantes nos asseguraram que era bem lá! Depois li que Freud adorava visitar essa igreja e subir essas mesmas escadas!
    A Bocca della Veritá tb foi difícil de encontrar, eu queria ir, mas nos 3 guias de viagens franceses sobre Roma que tínhamos levado, nem um sinal dela! Enviei uma mensagem a minha cunhada que procurou na internet, mas no wikipédia francês não tinha quase nada, mas ela descobriu o nome da igreja. O difícil foi encontra-la nomeio de todas as igrejas no mapa da cidade... Mas deu tudo certo!

    ResponderExcluir
  6. Adriana
    E esse só foi o segundo dia. O Tiramissu dessa Trattoria era divino e enorme. Foi o melhor que já comi na vida.
    Beijos

    Maria
    obrigado e conitnue viajando comigo!
    Beijos


    Monica
    Curioso que na minha primiera ida à Roma dispensei esse ônibus. Se não fosse a chuva também teria dispensado. Mas vale a pena usá-lo. Funciona muito bem e agora recomendo. além desse tem um outro que faz paradas só nas igrejas. Chama-se Roma Cristiana.

    Sissy
    São séculos de históira e Roma é uma das poucas cidades do mundoq ue vc tropeça mesmo na historia. antiguidade é lá.
    Beijos

    Milena
    Feliz com seu comentário sobre a dificuldade de encontrar San Pietro in Vincoli. Vejo que o problema é para todos. É, de fato, muito escondida. E com aquela escadaria fica complicado mesmo. Eu cheguei, pois estava com o casal espanhol e não foi pelo caminho principal. A escadaria que dá acesso só descobrimos na saída e descemos por lá.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Viajei com você por Roma. Sobre a escada pra cúpula, lembrei de Anita Ekberg no filme A Doce Vida. Muito legal, valeu!

    ResponderExcluir
  8. Eduardo
    Esse filme é maravilhoso. Eu estouc om uma pequena lista de filmes italianos e filmes com cenários italianos para assistir. Roma é uma cidade fantástica.
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Olá Jorge.
    Obrigada pela visita, lá n'O Berço do Mundo. Fico duplamente feliz, porque também gosta de viajar.

    Já me inscrevi como seguidora d'Acabou o caviar?

    Um abraço
    Ruthia

    ResponderExcluir
  10. Ruth
    Seja bem-vinda! Viajar é o melhor investimento que fazemos na vida.
    Abraços e obrigado por acompanhar.

    ResponderExcluir
  11. Jorge<
    Adorei novamente!!!
    Até descansar com você estamos!

    ResponderExcluir
  12. TAnia
    Aqui a viagem é completa..r.s
    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Jorge
    Que linda a foto da rua com a basílica de São Pedro ao fundo! Parabéns pelos posts.
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Pati
    Também gostei muito dessa foto. Uma tarde perfeita. Por isso que digo que sempre vale a pena embarcar num desses ônibus.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Muito bom Jorge, eu também me lembrei do filme e da música Bevete più latte, più latte va bene ...
    Essa história do parla é muito bacana. Quando eu fui, havia uma máquina para você colocar moeda e iluminar bem a escultura, valeu a pena e foi emocionante.
    Deu para ver que você não tem tempo ruim. Adorei !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Madá
      Vou procurar essa música no YouTube. Adoro as canções italianas, principalmente, porque é assim que vou agregando palavras ao meu vocabulário. Certamente a máquina para iluminar devia estar lá, mas acho que ninguém viu...rs Por fim, a chuva até ajudou, pois se o tempo estivesse bom, certamente não optaria por usar o ônibus.
      Beijos

      Excluir
  16. Jorge
    ainda nao conheço Roma, estou amando conhecer com você .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suely
      comece a planejar. Roma é uma cidade que todos devem conhecer, pelo que ela representa para todos nós. São séculos de História.
      Beijos

      Excluir
    2. Que bom Suely. aproveite bem essa viagem!
      Beijos

      Excluir
  17. Ainda bem que foi só chuva, Jorge!
    Para um turista em tempo integral recomenda-se paciência, persistência e nada melhor que um Tiramisu para finalizar um dia completo de emoções diversas como este em Roma!
    Nas palavras de minha avó, que não era italiana, nada melhor mesmo que uma gemada para recuperar as forças, sonhar bonito e ficar experto na mente.
    Para o que der e vier.
    Se me notava de farol baixo, começava por me entregar o mug e uma colher de chá. Bata estas gemas com empenho até ficarem brancas, firmes e sem cheiro. Ufa! Agora duas desta mesma colher de açucar. Só duas! Agora isto aqui...e virava uma rasa colher de sopa de vinho do Porto em minha caneca. Bata bastante. Um aroma delicioso invadia meu cérebro. Tire este nariz do caminho que vou colocar o café com leite fervendo! Mexa com cuidado. E o elixir estava terminado com uma generosa camada de chocolate em pó. Se a ordem dos fatores não altera o produto esta não é a receita do celebre dolci al cucchiaio? A famosa Zuppa del Duca, Zuppa englese? Um delicioso Tiramisu sem os savoiardi? Pelo jeito minha avó de alma vitoriana e Giacomo Casanova tinham algo em comum. Inventaram o Tiramisu! Ou foi obra do He-Man? Dizem que foi criado em Siena desde então florentinos, turinense, milaneses e venezianos reclamam a autoria do mundialmente conhecido doce italiano. Bem nem tanto assim...pois na mesa ao lado de um ótimo restaurante do Rio entre-ouvi esta pérola., "...para mim aquele doce japonês que vocês tem no menu, aquele que vem com chocolate em cima..." serviram-lhe um Tiramisu.
    Seus jornais de viagem estão me tirando do serio!
    Estou quase chegando à Florença e mal posso esperar por Veneza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucia
      Quando escrevi este post, nem imaginava que poucos dias depois iria acontecer aquela tragédia. E graças a Deus que nunca passei por iso nas minhas viagens e nem espero passar.
      Quanto ao Tiramisu acho bom vc também pedir, por hereança, a aprte que te cabe nesse latifúndio...rs. O que comi nessa Trattoria em Roma foi um dos melhores da minha vida. Os posts de Firenze já estão aí aguardando seus maravilhosos comentários.
      Beijos

      Excluir

Obrigado por ler e comentar este post.
Abraços e volte sempre.